.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

"A TRAIÇÃO" - Carlos Rímolo.

Como uma vida exalando seu derradeiro suspiro num tórrido deserto,
Eu agonizava e morria ali, tão longe de você, mas tão perto,
Com meu corpo estremecido, semimorto, mas ainda de amor sedento!
Lágrimas deslizavam e molhavam a minha face doída em vão,
Dilacerados, esmagados, estavam moribundos minh’alma e coração,
Eu, agora perdido, ia aos poucos ali se esvaindo, morrendo!

Todo meu ser se remexia sofrendo a minha dor, impaciente,
Vagava a esmo pelas sombras, sem pensar, como um demente,
Sobravam apenas lágrimas perdidas que, trôpegas, iam sem direção,
Como uma jangada lançada à deriva na imensidão do ignoto mar,
Sem um porto seguro, por aquelas águas revoltas no seu triste navegar,
Como um cego que na busca da luz via a escuridão!

Pago um preço até baixo pela cretinice e impensável atitude,
Pois machuquei alguém que muito amava, no amor fui rude,
Agora morri para a vida, não tem volta, não adianta este chorar,
São lágrimas soltas e infelizes, de um ex-amante, um vil pecador,
Que abusou, não soube realmente amar, divulgou o desamor,
São feridas, graves feridas, que só o tempo pode cicatrizar!

1 Comentários:

  • UM TEXTO MUITO BONITO ,COM UM IMAGÍNARIO DE REBUSCADA LIT.,RIMAS ,RITMO E METAFORAS BEM COLOCADAS, DE UMA LINGUAGEM QUE AGRADA AOS OUVIDOS E AOS OLHOS DO LEITOR DE GOSTO POÉTICO...

    Por Blogger eva maria, às 17 de fevereiro de 2009 05:21  

Postar um comentário

<< Home